Instituto São Cristóvão

Cursos oferecidos pelo ISC

20pxmopp-120px 20pxescolar20px 20px coletivo-1 20px emergencia 20pxreciclagem-1

  

 

motofretepeb

 

letra_mopp

letra_escolar letra_coletivo letra_emergencia letra_reciclagem MOTOFRETE

Motoristas de ônibus participam do curso de reciclagem promovido pelo ISC em Londrina

CIMG0261

O motorista de ônibus sabe que transitar pelas ruas das cidades é uma tarefa que exige mais do que apenas os conhecimentos sobre direção. Para qualificar os trabalhadores dessa categoria e deixá-los preparados para enfrentar o trânsito, o Instituto São Cristóvão (ISC), em parceria com o Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários de Londrina (Sinttrol) realizou, em 1 e 2 de julho, o Curso de Reciclagem de Coletivo.

Durante o treinamento, 18 motoristas reviram os princípios da condução; a direção defensiva; a postura de mediação de conflitos entre condutor e passageiro, motorista e cobrador, cobrador e passageiro e cobrador e agentes externos do trânsito. Os motoristas também foram expostos a situações que podem afetar o dia a dia da categoria, como a questão dos assaltos, que envolve principalmente os cobradores.

Com o intuito de avaliar o comportamento do motorista em cada situação, os alunos participaram de oficinas. Por último, foi realizada uma abordagem conceitual da rotina do motorista. Foi o que destacou o diretor do ISC, Munir Varela.

“Em um curso de reciclagem, é importante entender que o trabalhador não é uma máquina. É um ser humano. Por isso, ele precisa se cuidar, porque se estiver com saúde boa e mente sadia, consegue trabalhar com mais eficiência”, avaliou.

O diretor social do Sinttrol, Odair Curti, que também é motorista e já participou de cursos semelhantes, revela que o treinamento abre um leque de opções para o trabalhador.

“O curso é fundamental para que tenhamos um pouco mais de paciência. Isso evita muitas confusões ou discussões com o próprio usuário do ônibus”, comentou.

Segundo Odair, muitas pessoas saem despreparadas para enfrentar o trânsito das cidades. Isso contribui para o aumento de acidentes e o desrespeito às regras de segurança no trânsito.

Na opinião do motorista e aluno do curso de reciclagem Daniel Bertoncini Correia, o curso é importante para que o motorista se atualize sobre a profissão. Ele destaca a interação e o relacionamento interpessoal como fatores de destaque do curso e que aprimoram o trabalho da categoria.

“Os conteúdos abordados podem contribuir para a prática profissional, pois são assuntos pertinentes”, afirmou.

Segundo o aluno Eder Jonas Sabris Costa, o curso de reciclagem também é uma oportunidade para que o aluno esteja em contato com as regras do trânsito e aprimore o conhecimento com outros motoristas.

“A reciclagem é muito boa, pois é um curso interativo. Nós trabalhamos em grupo e revemos alguns pontos que já tinham ficado deficientes”, finalizou.

Fonte: ISC

   

Motoristas de cargas devem estar atentos às condições de transporte das mercadorias

carga 3

Motoristas de cidades maiores sabem que, em horários específicos, não é permitido transitar com determinados veículos em algumas vias. Assim como há regras para a locomoção de veículos na cidade, também existem normas para o transporte de cargas.

Atualmente, esse setor passa por divisões. Há transportes especializados e necessidades que variam conforme a região atendida pelo motorista. Existem empresas que fazem transporte de encomendas, apostando em cargas fracionadas, enquanto outras trabalham com lotação, também conhecida como carga completa.

As empresas também devem respeitar o tipo de mercadoria que está sendo transportada. Cargas gerais, por exemplo, precisam estar em embalagens específicas ou em unidades como contêiner e barril. Assim, a identificação e a contagem podem ser feitas com mais facilidade.

Nesse contexto, é válido ressaltar, ainda, que há materiais que podem causar prejuízos a outras cargas, acidentes ou até mesmo colocar em risco a vida das pessoas que entram em contato com o material, principalmente do responsável pelo transporte. Por isso, o motorista deve receber capacitação profissional.

Segundo as recomendações das Nações Unidas para o Transporte de Produtos Perigosos, as cargas são divididas em gases, substâncias oxidantes, líquidos inflamáveis, infectantes, substâncias venenosas, materiais radioativos, corrosivos e demais substâncias perigosas.

Em razão dos diversos tipos de mercadorias, o Instituto São Cristovão (ISC), ligado à Federação dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários do Estado do Paraná (Fetropar), oferece o curso de Movimentação Operacional de Produtos Perigosos (MOPP). Durante as aulas, os motoristas recebem instruções sobre direção defensiva, legislação de trânsito e cuidados na movimentação de produtos perigosos.

“É importante que o trabalhador conheça as regras para que o transporte das mercadorias aconteça de forma segura. Ele precisa saber que tipo de material está transportando. Assim, diminui a probabilidade de problemas durante o trajeto”, afirma o presidente da Fetropar, João Batista da Silva.

Segundo João Batista, todo cuidado deve ser tomado para que o funcionário não corra riscos enquanto realiza as atividades. O ISC e a Fetropar orientam o motorista a fazer cursos de capacitação na área em que atua. “O profissional do setor de transporte também tem uma função social. Por isso mesmo, deve ter um desempenho cada vez melhor. E isso começa por uma direção segura e responsável”, finaliza o presidente.

Fonte: ISC/Fetropar

 

   

Transporte de cargas indivisíveis, você está preparado?

indivisivel 1

Contêineres, máquinas, grandes toras de madeira, turbinas, geradores de energia eólica, peças com mais de 60 toneladas. Estes são alguns exemplos de cargas especiais que, constantemente, precisam ser transportadas pelas rodovias e estradas brasileiras.

Para transportar as “cargas indivisíveis” são necessários caminhões com boa estrutura e Autorização Especial de Tráfego (AET). Mas, além desses requisitos, é indispensável que o transporte seja feito por motoristas especializados nesse tipo de condução.

Essa é uma determinação que consta na resolução 168/04 do Conselho Nacional de Trânsito (Contran), em vigor desde julho do ano passado. Segundo a resolução, o transporte das cargas indivisíveis exige que os motoristas realizem um curso de especialização, com carga horária mínima de 50 horas.

“O transporte de indivisíveis é uma modalidade cuja demanda está crescendo no mercado. Por isso, o curso de formação permite que motorista vá além do cumprimento de uma lei de trânsito, pois garante a preparação necessária para a atuação nessa modalidade de direção especial”, afirma o presidente da Fetropar, João Batista da Silva.

Para realizar o treinamento, o motorista precisa preencher alguns requisitos, como ser maior de 21 anos e estar habilitado na categoria “C” ou “E” da Carteira Nacional de Habilitação (CNH).

A certificação é oferecida gratuitamente pelo Instituto São Cristóvão (ISC) em parceria com a Fetropar. Noções de primeiros socorros, direção defensiva e movimentação de cargas são alguns dos temas tratados durante o treinamento.

Além disso, o curso de indivisíveis promovido pelo ISC é oferecido periodicamente para motoristas de diversas cidades do estado. Acesse o site e saiba mais.

Fonte: Fetropar

   

Curso de Oratória do ISC dá destaque à comunicação e recebe avaliação positiva dos alunos

oratória 1

União, gratidão e aprendizado. Essas foram algumas das palavras que os participantes do curso de oratória utilizaram para se referir à finalização do treinamento, realizado em 18 de junho no Instituto São Cristóvão (ISC). Destinado aos diretores e associados do Sindeesmat, o curso teve a participação de 28 alunos. 

Durante três finais de semana (4, 11 e 18 de junho), os filiados do Sindicato participaram de diversas atividades interativas, como palestras, dinâmicas de grupo e vídeos. No dia da finalização, cada integrante fez um último vídeo sobre assuntos que lhe despertava o interesse. Alguns alunos escolheram contar experiências pessoais, enquanto outros optaram por trocar informações sobre diversos temas, como aposentadoria, saúde no trabalho, depressão e outros.

Ministrados pelas advogadas Beatriz Oliveira de Paola e Melissa Gonçales dos Santos, o curso de oratória foi voltado à comunicação. Segundo Beatriz, no último dia de treinamento foi possível perceber o quanto a equipe estava envolvida com as atividades.

“Nós trabalhamos com a questão dos canais de comunicação. Cada um tem o seu canal de percepção no mundo. Quando as pessoas conseguem perceber que nem todo mundo é igual, elas se comunicam melhor. E se irritam menos também”, explicou.

Para a professora, embora o tempo destinado ao curso seja curto, a comunicação dos alunos, no próprio ambiente de trabalho, terá resultados satisfatórios. Essa é a avaliação também do profissional de recursos humanos e filiado do Sindeesmat Gilmar Moreira Cabral.

“Eu vi muitos vídeos que mostravam como se expressar, como perder o medo de falar, como ver se a pessoa é sensitiva - se ela escuta mais, se ela sente mais ou se ela visualiza mais. E isso vai contribuir para a minha vida”, comentou.

No início, não foi muito fácil a interação. A vergonha e a timidez tomavam conta de alguns participantes. O borracheiro líder e filiado do Sindeesmat conta que chegou ao treinamento envergonhado e sem saber como seria. “E você sai daqui renovado. Você escuta as outras pessoas, aprende com os outros e com as professoras. Então, é muito gratificante”, considerou.

Participar das primeiras apresentações não foi uma tarefa fácil. Foi o que analisou a auxiliar de departamento pessoal e filiada do Sindeesmat Luciane das Graças de Moraes Soares. Ela imaginava um curso totalmente diferente.

“Fiquei um pouquinho assustada no começo. Mas adorei, porque aprendi muita coisa. Aprendi a falar melhor, a me expressar. Aprendi a ouvir as pessoas. Por meio disso, a gente começa a falar menos e melhor”, esclareceu.

A comunicação entre os trabalhadores também promete ser melhor a partir do curso. Essa é a avaliação do gerente de manutenção e diretor de Relações Sociais do Sindeesmat Salvador Silvano, que costuma manter contato com o mecânico, o eletricista e o lavador, por exemplo.

"Com o curso, eu aprendi que, se a pessoa não entendeu o que você está transmitindo, a culpa não é dela. A culpa é sua, que não está sabendo transmitir”, explicou.

Para finalizar o primeiro curso de oratória promovido pelo ISC, o presidente do Sindeesmat, Agisberto Rodrigues Ferreira Junior, e um dos diretores da Federação dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários do Estado do Paraná (Fetropar) Agenor Pereira da Silva (vereador Cacá) agradeceram a participação e a iniciativa, que promete fortalecer o ISC e o próprio Sindicato.

Fonte: ISC

 

   

Pagina 1 de 38

Você está aqui: Home
NEWS2

Nome:
Email(Obrigatório):

AGENDA

inscricao22